Obrigada por sua visita

Obrigada por sua visita

terça-feira, 31 de julho de 2012

Esperança. Gente Humilde

"Tem dias que a esperança é sempre mais teimosa do que eu." Fabrício Carpinejar
Agostinho dos Santos-Gente humilde

Gente Humilde
Vinicius de Moraes
Tem certos dias
Em que eu penso em minha gente
E sinto assim
Todo o meu peito se apertar
Porque parece que acontece
De repente
Como um desejo de eu viver sem me notar
Igual a tudo, quando eu passo
Num subúrbio
Eu muito bem, vindo de trem
De algum lugar
Aí me dá uma inveja
Dessa gente
Que vai em frente Sem nem ter com quem contar
São casas simples
Com cadeiras na calçada
E na fachada, escrito em cima
Que é um lar
Pela varanda, flores tristes
E baldias
Como a alegria que não tem
Onde encostar
E aí me dá uma tristeza
No meu peito
Feito um despeito de eu não ter
Como lutar
E eu não creio
Peço a Deus por minha gente
É gente humilde
Que vontade de chorar

Paco de Lucia - Entre dos Aguas

Danza zíngara rusa

Dalva de Oliveira - Ave maria no morro (1960)

Elizeth Cardoso - Barracão de Zinco

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Oração do Cavalo

Oração do Cavalo

Ao meu amo ofereço a minha oração:

Dá-me comida e cuida de mim, e quando a jornada terminar,

Dá-me abrigo, uma cama limpa e seca e uma baia ampla pra eu descansar em conforto.

Fala comigo; tua voz, muitas vezes, significa, para mim, o mesmo que as rédeas.

Afaga-me, às vezes, para que eu te possa servir com mais alegria e aprenda a te amar.

Não maltrates minha boca com o freio e não me faças correr ao subir um morro.

Nunca, eu te suplico, me agridas ou me espanques quando eu não entender o que queres de mim, mas dá-me uma oportunidade de te compreender.

E, quando não for obediente ao teu comando, vê se algo não está correto nos meu arreios, ou maltratando os meus pés.

E, finalmente, quando a minha utilidade se acabar, não me deixes morrer de frio ou à mingua, nem me vendas para alguém cruel para eu ser lentamente torturado ou morrer de fome.

Mas, bondosamente, meu amo, sacrifica-me tu mesmo e teu Deus te recompensará para sempre, e não me julgues irreverente se te peço isso.

Em nome d'Aquele que também nasceu num estábulo.

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Parabéns Nelson Sargento, pelo dia em que completa os seus 87 aniversários, um dos grandes ícones do samba

o Blogger Maria Lopes e Música tem como objetivo nesta noite festejar e homenagear o Samba genuinamente brasileiro representado pelo aniversariante Nelson Sargento!
Agoniza Mas Não Morre
Composição: Nelson Sargento

Samba,
Agoniza mas não morre,
Alguém sempre te socorre,
Antes do suspiro derradeiro.

Samba,
Negro, forte, destemido,
Foi duramente perseguido,
Na esquina, no botequim, no terreiro.

Samba,
Inocente, pé-no-chão,
A fidalguia do salão,
Te abraçou, te envolveu,
Mudaram toda a sua estrutura,
Te impuseram outra cultura,
E você nem percebeu,
Mudaram toda a sua estrutura,
Te impuseram outra cultura,
E você nem percebeu.

Convidados na Festa de Aniversário de Neslson Sargento.

segunda-feira, 23 de julho de 2012

músicas romântica

20 músicas que jamais serão esquecidas.

Vem ó cigana bonita

Carlos Alberto

Vem, ó cigana bonita
ler o meu destino
Que mistérios tem
Tu, com esses olhos
de quem vê o amor da gente
Põe nas minhas mãos
o teu olhar ardente
E procura desvendar o meu segredo
A dor, cigana, do meu amor
Mas, nunca digas, ó zíngara
que ilusão me espera
O mal, o meu futuro
Só àquela por quem vou vivendo
assim à toa
Tu dirás, será sorte ser amado
por tua
Para que ela venha consolar-me
um dia
A dor, cigana, do meu amor

Amor e Luz

Bela Cigana

Musica Bela Cigana de Clara Nunes (Part. João Nogueira)

sábado, 14 de julho de 2012

MÚSICA ESPECIAL PARA RELAJACIÓN, MEDITACIÓN, SANACIÓN Y CONCILIAR EL SUEÑO

A Tela do meu Destino

Tela
A Tela
Na tela em que meu destino foi bordado,
não há manchas de dedos
nem frouxos alinhavos
desfazendo a harmonia.
Nasci, certamente, das BORDADEIRAS DE SONHOS
que tecem lenços azuis todas as manhãs
para que a realidade, com seu duro fardo,
não pesponte escuridão onde o traço é de luz.
Aíla Sampaio
A Teia da EsperançaA teia tecida
nas noites de esperança,
rasgada e ferida,
segue a nossa andança.

E juntos, mãos dadas,
olhamos pra ela,
vontades paradas,
quais barcos sem vela.
Amigo, que o braço
cansado de tédio
ergamos no espaço!
É esse o remédio.
Depois de cerzidas,
não ficam marcadas
profundas feridas
em teias rasgadas!

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Jorge Aragao - Logo Agora

♥♫DIAS DE LUA - EMÍLIO SANTIAGO

Aniversariante de Hoje 13 de julho- João Bosco



Começou a tocar violão aos doze anos, incentivado por uma família repleta de músicos.
Alguns anos depois, iniciou na Escola de Minas em Ouro Preto cursando Engenharia Civil[2]. Apesar de não deixar de lado os estudos, dedicava-se sobremaneira à carreira musical, influenciado principalmente por gêneros como jazz e bossa nova e pelo tropicalismo.[1] Foi em Ouro Preto, em 1967, na casa do pintor Carlos Scliar, que conheceu Vinícius de Moraes, com o qual compôs as seguintes canções:
rosa-dos-ventos, Samba do Pouso e O mergulhador - dentre outras. [1][3]

A primeira gravação saiu no disco de bolso do jornal O Pasquim: Agnus Sei (1972). No ano seguinte, selou contrato com a gravadora RCA, lançando o primeiro disco, que levava apenas seu nome.[2]

Em 1970 conheceu aquele que viria a ser o mais frequente parceiro, com quem compôs mais de uma centena de canções: Aldir Blanc, O mestre sala dos mares, O bêbado e a equilibrista, Bala com bala, Kid cavaquinho, Caça à raposa, Falso brilhante, O rancho da goiabada, De frente pro crime, Fantasia, Bodas de prata, Latin Lover, O ronco da cuíca, Corsário, dentre muitas outras[3].

Em 1972 conheceu Elis Regina, que gravou uma parceria sua com Blanc: Bala com Bala; a carreira deslanchou quando da interpretação da cantora para o bolero Dois pra lá, dois pra cá.[2]CA / Sony BMG

Discografia de João Bosco:[3]
1973 - João Bosco
1975 - Caça à raposa
1976 - Galos de briga
1977 - Tiro de misericórdia
1979 - Linha de passe
1980 - Bandalhismo
1981 - Essa é a sua vida
[editar]Ariola
1982 - Comissão de Frente
1983 - Centésima apresentação - ao vivo
1984 - Gagabirô
1986 - Cabeça de nego
[editar]CBS/ Sony BMG
1987 - Ai ai ai de mim
1989 - Bosco
1991 - Zona de fronteira
1992 - Acústico MTV - ao vivo
1994 - Na onda que balança
1995 - Dá licença meu senhor
1997 - As mil e uma aldeias
1998 - Benguelê (trilha sonora do Grupo Corpo)
2000 - Na esquina
2001 - Na esquina - ao vivo (CD duplo)
2003 - Malabaristas do sinal vermelho
[editar]Universal Music
2006 - Obrigado, gente! - ao vivo (CD e DVD)
2009 - Não vou pro céu, mas já não vivo no chão (CD)
[editar]Participações
1972 - Disco de bolso do Pasquim - O tom de Antônio Carlos Jobim e o tal de João Bosco
Referências

↑ a b c Biografia no Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira.
↑ a b c d Knorstjonas (17/4/2009). Biografia de João Bosco (em português).
Letra.com. Página visitada em 13 de julho de 2012.
↑ a b c d perfis dos artistas / João Bosco (em português). Rede Nova Brasil FM.
Página visitada em 13 de julho de 2012
.http://pt.wikipedia.org