Obrigada por sua visita

Obrigada por sua visita

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Shakira at United Nations IMAGINE [early childhood development] Shakira Naciones Unidas

Shakira at United Nations IMAGINE [early childhood development] Shakira Naciones Unidas



22 September 2015 – The United Nations Children’s Fund (UNICEF) and its Goodwill Ambassador and international pop star Shakira urged global leaders today to invest heavily in early childhood development in the wake of new science that is creating a revolutionary shift in understanding the lasting effects of deprivation and stress on the developing brains of young children.

“More than 100 million children are out of school and 159 million boys and girls under five are physically and cognitively stunted due to a lack of care and proper nutrition,” said Shakira, who joined Secretary-General Ban Ki-moon, UNICEF Executive Director Anthony Lake and the Director of the Harvard University Center on the Developing Child, Dr. Jack P. Shonkoff at an event at UN Headquarters in New York.

“Every year that passes without us making significant investment in early childhood development and initiatives that address these issues, millions of kids will be born into the same cycle of poverty and lack of opportunity,” she added.

According to UNICEF, brain development is most intense during early childhood, with nearly 1,000 neural connections happening every second. These early synaptic connections form the basis of a child’s health and wellbeing, including the lifelong capacity to learn, adapt to change, and handle adversity.

Yet nearly one-third of all children under five years of age in lower- and middle-income countries are reportedly growing up in environments and situations that can interfere with this period of rapid growth and development.

Meanwhile, new scientific research shows that the developing brains of young children are as affected by environmental factors as they are by genetics. Inadequate nutrition, lack of stimulation, and toxic stress all can have a negative impact on brain development.

But it also shows that early, cost-effective interventions, such as encouraging breast feeding, or reading and playing with young children, as well as formal early education programmes, all support healthier brain development.

“What this new science is telling us is that literally, early experiences are kind of built into the body,” Dr. Shonkoff explained during a press conference on the issue. “They literally affect the development of the circuits of the brain, they affect the immune system’s development, they affect the development of the cardiovascular system, and so […] it’s a new opportunity to think about what we might do differently to protect children from the long-term consequences of that.”

UNICEF says these findings have significant implications for children growing up in extreme poverty, exposed to domestic violence, or in countries affected by conflict and other crises. In addition, these effects on the developing brain can actually alter the expression of genes, potentially affecting the next generation.

“What we are learning about all the elements that affect a child’s brain – whether her body is well nourished, whether her mind is stimulated, whether she is protected from violence – must change the way we think about early childhood development, and how we act,” said Mr. Lake.

“To give every child a fair chance in life, we need to invest early, invest equitably, and invest smartly – not only in education, but in health, in nutrition, and in protection.”

Evidence increasingly points to investment in early childhood as one of the most cost-effective ways to achieve sustainable development. A study on increasing pre-school enrolment in 73 countries found higher future wages of $6 - $17 per dollar invested, indicating potential long-term benefits ranging from $11 to $34 billion.

The event preludes this week’s adoption of the new Sustainable Development Goals (SDGs), which will officially include early childhood development as part of the transformative agenda for 2015 and beyond.

UNICEF is highlighting that early childhood development provides a natural link between the new global goals, producing a multiplier effect that can help address poverty, improve health and nutrition, promote gender equality, and reduce violence.

The Secretary-General shared a similar message, underlining that investing in early childhood development “does not just benefit children, it benefits societies.”

“We all have a shared responsibility to build this movement,” he said. “Today I ask you to make this call your own. Use your influence to make early childhood development a public priority.”

He urged the global community to make a commitment to Generation 2015, to give all the children born this year the best start in life.



O Crianças das Nações Unidas do Fundo (UNICEF) e sua Embaixadora da Boa Vontade e pop star internacional Shakira pediu aos líderes mundiais hoje a investir pesadamente no desenvolvimento da primeira infância, na sequência da nova ciência que está criando uma mudança revolucionária na compreensão dos efeitos duradouros da privação e estresse sobre os cérebros em desenvolvimento de crianças pequenas.

"Mais de 100 milhões de crianças estão fora da escola e 159 milhões de meninos e meninas menores de cinco anos estão fisicamente e cognitivamente atrofiado devido a uma falta de cuidado e nutrição adequada", disse Shakira, que se juntou Secretário-Geral Ban Ki-moon, Directora Executiva da UNICEF Anthony Lake e do Director do Centro Universitário de Harvard sobre o Desenvolvimento da Criança, Dr. Jack P. Shonkoff em um evento na sede da ONU em Nova York.

"A cada ano que passa sem a gente fazer um investimento significativo no desenvolvimento da primeira infância e iniciativas que abordam estas questões, milhões de crianças vão nascer no mesmo ciclo de pobreza e falta de oportunidade", acrescentou.

Segundo a UNICEF, o desenvolvimento do cérebro é mais intensa durante a primeira infância, com cerca de 1.000 conexões neurais que acontecem a cada segundo. Essas conexões sinápticas iniciais formam a base da saúde da criança e bem-estar, incluindo a capacidade de aprender ao longo da vida, se adaptar às mudanças, e lidar com a adversidade.

No entanto, quase um terço de todas as crianças menores de cinco anos de idade em países de renda média baixa e já estariam crescendo em ambientes e situações que podem interferir com este período de rápido crescimento e desenvolvimento.

Enquanto isso, novas pesquisas científicas mostra que o cérebro em desenvolvimento de crianças pequenas são tão afetados por fatores ambientais como eles são pela genética. Alimentação inadequada, falta de estímulo e stress tóxico todos podem ter um impacto negativo sobre o desenvolvimento do cérebro.

Mas mostra também que, no início, as intervenções de baixo custo, tais como incentivar a amamentação, ou ler e brincar com as crianças, bem como programas formais de educação precoce, todos apoiar o desenvolvimento do cérebro saudável.

"O que esta nova ciência está nos dizendo é que, literalmente, primeiras experiências são tipo de embutido no corpo", explicou Dr. Shonkoff durante uma conferência de imprensa sobre o assunto. "Eles literalmente afetar o desenvolvimento dos circuitos do cérebro, que afeta o desenvolvimento do sistema imunológico, eles afetam o desenvolvimento do sistema cardiovascular, e assim [...] é uma nova oportunidade para pensar sobre o que podemos fazer de diferente para proteger as crianças de as consequências a longo prazo do que isso. "

UNICEF diz que essas descobertas têm implicações significativas para as crianças que crescem em situação de pobreza extrema, expostos à violência doméstica, ou em países afectados por conflitos e outras crises. Além disso, estes efeitos sobre o cérebro em desenvolvimento pode efectivamente alterar a expressão de genes, que potencialmente afectam a geração seguinte.

"O que estamos aprendendo sobre todos os elementos que afetam o cérebro de uma criança - se seu corpo está bem nutrido, se sua mente é estimulada, se ela está protegida da violência - deve mudar a maneira como pensamos sobre desenvolvimento na primeira infância, e como agimos ", disse Lake.

"Para dar a cada criança uma oportunidade justa na vida, precisamos investir cedo, investir de forma equitativa, e investir de forma inteligente -. Não só na educação, mas na saúde, na nutrição e na proteção"

Evidências cada vez mais aponta para o investimento na primeira infância como uma das formas mais rentáveis ​​para alcançar o desenvolvimento sustentável. Um estudo sobre o aumento de matrícula pré-escolar em 73 países encontraram maiores salários futuros de US $ 6 - US $ 17 por dólar investido, indicando potenciais benefícios de longo prazo que variam de $ 11 a US $ 34 bilhões.

Os prelúdios evento adoção desta semana dos novos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (DPSs), que incluirá oficialmente desenvolvimento da primeira infância como parte da agenda transformadora para 2015 e além.

UNICEF está destacando que o desenvolvimento da primeira infância proporciona uma ligação natural entre as novas metas globais, produzindo um efeito multiplicador que pode ajudar a combater a pobreza, melhorar a saúde e nutrição, promover a igualdade de gênero e reduzir a violência.

O Secretário-Geral compartilhou uma mensagem semelhante, sublinhando que o investimento no desenvolvimento da primeira infância "não apenas beneficiar as crianças, beneficia sociedades."

"Nós todos temos uma responsabilidade compartilhada para construir este movimento", disse ele. "Hoje eu lhe pedir para fazer esta chamar de seu. Use sua influência para tornar o desenvolvimento da primeira infância uma prioridade pública ".

Ele instou a comunidade internacional a assumir o compromisso de Geração de 2015, para dar todas as crianças nascidas este ano o melhor começo de vida
http://www.creatividadinternacional.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário